Templo do Conhecimento

10/09/2021 | Notícia | Revista Arquitetura & Aço - Edição 59

Muito tradicional na cidade de São Paulo, o Colégio Santa Cruz conta atualmente com uma das bibliotecas mais inovadoras do Brasil. Batizada como Biblioteca Padre Charbonneau, ela fica localizada no coração do campus da belíssima escola, tornou-se um ponto de encontro e de reunião da comunidade escolar, um verdadeiro centro de convergência, tanto do ponto de vista físico-funcional, quanto do ponto de vista simbólico.

A obra, que contou com 140 toneladas de aço, durou cerca de 12 meses e foi projetada pelo escritório Andrade Morettin Arquitetos Associados. A estrutura da biblioteca parte de um grid simples, sem grandes vãos, o que permite, a um só tempo, que sua volumetria se mostre leve e que sua construção fosse rápida e econômica.

“O sistema construtivo em aço foi escolhido – principalmente – por conta do prazo de execução, mas também porque nós queríamos que o projeto tivesse uma linguagem mais leve e destacada”, explica o arquiteto responsável pela obra, Marcelo Maia Rosa. 

“Aliás, a construção em aço fez parte do nascimento do projeto da biblioteca. Desde o princípio, a gente imaginou todos os elementos a vista, com uma malha estrutural muito regular para ter uma grande esbeltez”.

O maior desafio do ponto de vista técnico foi conseguir uniformidade dos perfis e esbeltez de pilar. “O engenheiro Yopanan Rebello fez algo genial ao intercalar a distribuição de cargas da laje e, como o projeto é quadrado, ao invés de escolher um sentido unidirecional, ele foi intercalando por quadrante esses elementos”, explica Marcelo Maia Rosa.

“Assim, as vigas ficaram bem balanceadas e isso foi maravilhoso, pois também refletiu na maneira como dispusemos o layout, os próprios forros, o ar-condicionado, enfim, tudo foi decorrente da ideia do Yopanan, realizando uma alternância por quadrante na distribuição dessas pré lajes”.

O arquiteto diz que a equipe do projeto atingiu a esbeltez dos pilares com contraventamentos, triangulados com X, com travamento através de conectores nas vigas com as lajes. “Dessa forma, conseguimos atingir a impressão que queríamos: um espaço amplo com pé-direito duplo supergeneroso”. 

Na visão do arquiteto, o maior ponto positivo foi ter aplicado com maestria toda a pesquisa em pré-fabricação e montagem realizada pelo escritório. “Criamos uma arquitetura como montagem mesmo”, afirma Marcelo Maia Rosa.

“Tudo foi bem-organizado e tivemos poucos imprevistos. Pouquíssima diferença entre projeto e obra. As coisas foram feitas de um jeito muito premeditado”, garante. “O que nos agrada muito porque tem pouco desperdício, pouco impacto com relação ao canteiro de obras e o campus. 

As montagens foram rápidas e efetivas”. 

Marcelo Maia Rosa conta que o sistema construtivo em aço foi essencial para tornar a biblioteca um espaço convidativo aos alunos, aos professores e aos familiares. “Um dos maiores benefícios proporcionado pelo sistema foi a leveza na relação do ambiente interno da biblioteca com o campus, pois acho que a estrutura em aço é incomparável nesse sentido”, avalia. “Os pilares são muito esbeltos e isso possibilitou um plano muito contínuo de visão e integração”.

O arquiteto continua: “Sem contar que a gente fez todo o edifício com uma carga já prevista para diversas possibilidades de uso e disposição. Em termos de flexibilização, esse foi o grande trunfo”. 
Na nova biblioteca, existem áreas de estudo e leitura, arena de convivência, estúdio multimídia, espaços para trabalhos em grupo ou individuais, salas de aula flexíveis, oficina de invenções, os ambientes foram pensados para múltiplos usos e têm grande capacidade de adaptação.

Um amplo laboratório no térreo abriga hoje, além das práticas comuns, encontros e palestras, por exemplo. Para se ter ideia, o imenso salão do primeiro andar da biblioteca Padre Charbonneau expõe um acervo de aproximadamente 30 mil livros, que podem ser localizados através de tablets disponíveis no local. Em um mezanino, com ambientes mais tranquilos, são realizadas práticas de leitura. Com tudo isso, o edifício é um lugar vivo para estudos e para encontros.

A industrialização na construção civil é fundamental para Marcelo Maia Rosa, que costuma usar muito o sistema construtivo em aço no segmento escolar. 

“Esses edifícios são experimentos para que a gente possa verificar e ajustar o caminho desses processos construtivos”, analisa o arquiteto." É muito importante porque, além de elevar a qualidade da mão de obra, estimula a pesquisa e o aprendizado. Esse é o caminho para que a gente tenha construções sustentáveis, com menor impacto e maior velocidade”. 

Ficha Técnica:

Fabricante da Estrutura Metálica: Mectal
Projeto Estrutura de Aço: Ycon Engenharia
Projeto Arquitetônico / Arquiteto Responsável: Andrade Morettin Arquitetos Associados / Marcelo Maia Rosa
Execução da Obra: DGK Engenharia
Área Construída: 1.785.97 m²
Volume de Aço Empregado: 140 toneladas
Conclusão da Obra: 2020
Local: São Paulo, SP

Confira na íntegra.

Ao navegar no site você estará concordando com a nossa política de privacidade.

Ok
Fechar modal