Atenção

Fechar

Diversidade De Soluções Em Aço

31/08/2017 | Notícia | Revista Arquitetura & Aço - Edição 49 – Junho de 2017

A construção em aço consolida sua presença na região Nordeste do país e conquista espaço cada vez maior neste mercado, especialmente nos últimos 20 anos. Com aplicação em variadas tipologias, de pequenas construções até grandes obras de infraestrutura, são muitos os exemplos de bons projetos executados em aço, com soluções criativas e eficazes. Reunimos aqui alguns casos já apresentados em edições anteriores de Arquitetura & Aço para exemplificar a diversidade e a qualidade dos trabalhos realizados na região

Hospital Rede Sarah, Salvador

  • Projeto arquitetônico: João Filgueiras Lima (Lelé)
  • Área construída: 20 mil m²
  • Conclusão da obra: 1994

O Hospital Sarah Salvador, inaugurado em 1994, foi projetado pelo arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé, para a reabilitação neurológica, ortopédica e infantil de pacientes. Nele, um único elemento dá forma ao projeto: um shed metálico curvo, de grandes e diferentes extensões, repetido em dezenas de linhas paralelas. Suas únicas variações ocorrem apenas no vão da estrutura em aço que o sustenta, repercutindo na maior dimensão do shed; e em seu fechamento, a partir da continuidade da sua curva, quando não há a necessidade de ventilação. As aberturas contam com testeiras verticais pintadas em amarelo, que prolongam a cobertura curva. O conjunto resguarda os ambientes dos raios solares diretos. No projeto, o aço também é utilizado nos fechamentos e corredores, que recebem painéis metálicos em tons de azul e laranja.

Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região da Bahia, Salvador

  • Projeto arquitetônico: João Filgueiras Lima (Lelé)
  • Área construída: 122 mil m²
  • Conclusão da obra: 2011

A sede do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da Bahia, com 122 mil m², tem planta circular e núcleos de apoio restritos às áreas de circulação vertical. O complexo é formado por oito edificações implantadas em um terreno arborizado e com topografia em forma de vale. Os prédios são interligados por um caminho suspenso (a 30 m do solo), na forma de passarelas fechadas e envidraçadas, que totalizam 200 m de vias lineares. Em favor da sustentabilidade, o sistema industrializado em aço foi adotado em todo o conjunto, seguindo a proposta de minimizar as intervenções no relevo e na vegetação do terreno. A maior intervenção se deu nas bordas do lote, onde um corte escalonado de 13 m de altura permitiu a execução de quatro pavimentos de garagem e estacionamento descoberto.

Complexo da Rótula do Abacaxi, Salvador

  • Projeto arquitetônico: Consep Engenharia e Projetos Ltda
  • Área construída: 2.115 m²
  • Projeto estrutural: Consep Consultoria Engenharia e Projetos Ltda
  • Fornecimento da estrutura metálica: Rótula Metalúrgica
  • Conclusão da obra: 2010

Presença garantida na Via Expressa Baía de Todos os Santos, em Salvador (BA), o aço teve papel fundamental na execução de dois importantes viadutos treliçados no trecho conhecido como Complexo da Rótula do Abacaxi, importante obra suspensa sobre a linha de metrô. Com as estruturas metálicas, as obras foram entregues em apenas cinco meses.

“Usamos treliças invertidas, que agregam maior valor estético à construção e, com isso, vencemos dois grandes vãos, um de 88 m e outro de 86 m”, diz Augusto Cézar Dias Fontes, da Consep, responsável pelo projeto estrutural. Os viadutos consumiram 912 toneladas de aço e foram pintados com fundo epoxídico e acabamento em esmalte poliuretano acrílico alifático.

Salvador Shopping, Salvador

  • Projeto de arquitetura: AFA – André Sá e Francisco Mota Arquitetos
  • Área construída: 231 mil m²
  • Projeto estrutural: Codeme Engenharia S.A. e Enpro (estabilização)
  • Fabricação e montagem da estrutura metálica: Codeme Engenharia S.A.
  • Conclusão da obra: 2007

Emblemático, o projeto do Salvador Shopping se destaca por seu apelo sustentável em prol da eficiência energética. Com nove coberturas curvas em vidro, projetadas nos encontros de vários arcos metálicos, a construção tira partido da arquitetura e seus materiais para maximizar o aproveitamento de recursos naturais. Em diferentes composições, vidro e estruturas metálicas foram utilizados para coberturas, escadas, pisos e guarda-corpos. Uma grande escada em aço, com patamares em balanço, interliga todos os andares. A “escada voadora” tem pórtico espacial em balanço e pilares em aço, tubulares e vazados, que vão do piso térreo ao último pavimento. O edifício foi concebido com estrutura mista em aço e concreto. Os pilares são formados por perfis de aço encapsulados por concreto, as vigas são em aço e as lajes do tipo steel deck. Na fachada, cabos com ferragens de aço inoxidável suportam os vidros e dispensam a caixilharia. A solução adotada permitiu executar a obra em apenas 18 meses.

Arena Fonte Nova (Estádio Octávio Mangabeira), Salvador

  • Projeto arquitetônico: Tetraarq, Marc Duwe, SchulitzArchitek + Technologie, e ClassSchulitz Área construída: 90 mil m²
  • Projeto estrutural: SeteplaTecnometal Engenharia e RFR Ingenieure
  • Fornecimento da estrutura de aço: Martifer
  • Conclusão da obra: 2013

Com traços arquitetônicos e formato de ferradura similares ao do antigo estádio soteropolitano, o projeto da Arena Fonte Nova, de Salvador (BA), inaugurado em 2013, chama atenção por sua cores, estruturas e cobertura. Sua cobertura aliás, com 36 mil m², foi idealizada em aço leve com sistema de roda raiada por uma equipe de engenharia internacional especializada. As plataformas radiais e a distribuição dos cabos responsáveis pelo içamento da estrutura de aço foram montados após a instalação do anel de compressão e do deque metálico ao redor do estádio. A operação foi monitorada por uma central computadorizada e só depois a montagem de 144 mastros suspensos foi feita ligando os anéis de tração superior e inferior. Ao todo, 2.074 toneladas de aço foram usadas no projeto.

Casa Azul e Branca, Camaçari

  • Projeto arquitetônico: André Luque Arquitetura
  • Área construída: 615 m²
  • Projeto estrutural: Consep Engenharia
  • Fornecimento da estrutura de aço: Lemos Metalúrgica
  • Conclusão da obra: 2007

Construir uma residência de dois andares com uma fachada impactante foi o desafio do arquiteto André Luque ao projetar a Casa Azul e Branca em Camaçari, na Bahia. “O cliente esperava uma estrutura que causasse menos sujeira e que fosse de fácil manutenção. Foi aí que oferecemos a solução em aço”, destaca o profissional. A obra tem um grande pórtico metálico na entrada, além de brises, pilares e vigas também em aço. A estrutura utiliza perfis laminados H nos pilares e I nas vigas. Para valorizar os detalhes, o escritório optou por parafusos no lugar de soldas, com exceção do pergolado de entrada.

Hotel Ibis, Petrolina

  • Projeto arquitetônico: Hiran Cavalcanti
  • Área construída: 3.150 m²
  • Projeto estrutural: WRS Consultoria
  • Fornecimento da estrutura metálica: Vão Livre
  • Conclusão da obra: 2009

Primeiro hotel da rede hoteleira Accor na cidade pernambucana, que fica a 722 km da capital Recife, o Ibis de Petrolina teve sua torre de 30 m de altura executada em aço e suas lajes em steel deck. O material permitiu uma menor intervenção dos pilares no espaço útil das unidades, viabilizou maiores vãos e garantiu que a obra ficasse pronta em apenas dois meses, sem recortes ou marcações indesejadas na fachada. Ao todo, 141,5 toneladas de aço foram consumidas no projeto, que tem nove andares e 102 quartos em 3.150 m² de área construída.

Garagem do shopping Paço Alfândega, Recife

  • Projeto arquitetônico: Paulo Mendes da Rocha
  • Área construída: 18.326,34 m²
  • Projeto estrutural: Engedata Engenharia Estrutural
  • Conclusão da obra: 2006

O edifício-garagem do shopping Paço Alfândega no Recife (PE), com fechamento em chapa de aço perfurada, passou a figurar como um dos novos marcos arquitetônicos desde 2006, quando foi construído. O projeto é dividido em dois blocos, de quatro pavimentos cada, com pé-direito de 2,3 m e vão de 15,5 x 11,6 m. O fechamento metálico da construção, que contrasta de forma impactante com os prédios históricos vizinhos, foi desenvolvido pelo arquiteto Paulo Mendes da Rocha com a colaboração do escritório MMBB Arquitetos. A fachada é feita com cortinas de chapas perfuradas de aço patinável, com 25% de vazios e tem acabamento em pintura branca. As cortinas metálicas criam um efeito translúcido, permitindo a ventilação e a iluminação interna naturais.

Aeroporto Internacional Gilberto Freyre, Recife

  • Projeto arquitetônico: Moretti Arquitetura
  • Área construída: 52 mil m²
  • Projeto estrutural: Andrade Rezende
  • Fornecimento da estrutura de aço: Medabil Estruturas Metálicas
  • Conclusão da obra: 2011

Originalmente construído em 1958, o Aeroporto Internacional Gilberto Freyre, em Recife (PE) já havia recebido inúmeras reformas, mas entre 2004 e 2011 passou por uma intensa reformulação sob o comando do arquiteto Ubirajara Moretti, do Moretti Arquitetura, que projetou novas estruturas em aço para o complexo. Ao todo, 3,5 mil toneladas do material foram empregadas no novo terminal, conector, pontes de embarque e cobertura. "Foram usados tubos metálicos retangulares em aço patinável da classe ASTM A588 em tais elementos", explica o engenheiro estrutural Jeferson Andrade, da Andrade Rezende Engenharia. Segundo ele, o material foi o mais indicado para esse tipo de intervenção para vencer grandes vãos, por sua leveza, maleabilidade e facilidade de execução.

RioMar Shopping, Recife

  • Projeto arquitetônico: AFA – André Sá e Francisco Mota Arquitetos
  • Área construída: 295 mil m²
  • Projeto estrutural: Pengec Engenharia e Consultoria
  • Fornecimento da estrutura metálica: Projeart e Rótula Metalúrgica
  • Conclusão da obra: 2012

Construído no bairro do Pina, a 1,4 km da avenida Boa Viagem, no Recife (PE), o RioMar Shopping foi erguido em 2012 seguindo ideais da arquitetura contemporânea e teve o aço como protagonista. No projeto, que leva a assinatura dos arquitetos André Sá e Francisco Mota, 7.190 toneladas do material foram usadas em pilares, vigas e lajes steel deck para dar vida ao empreendimento comercial que ocupa 295 mil m² de área construída e conta, ainda, com três torres de uso empresarial. Coberturas e fechamentos também foram dimensionados em aço. “Para as coberturas, a estrutura em aço deu maior liberdade à criação de vãos”, diz o arquiteto Allan Falcão. Foram utilizadas vigas metálicas e terças em perfis formados a frio para os locais com vãos médios de 16 m e treliças planas para os vãos de até 32 m. No edifício de garagem, um sistema misto de aço e concreto para as vigas e lajes foi adotado.

Aeroporto Internacional de Natal, São Gonçalo do Amarante

  • Projeto arquitetônico: Corporación America e Engevix
  • Área construída: 66.538,78 m²
  • Projeto estrutural: Helport SA
  • Fornecimento da estrutura de aço: Dagnese Soluções Metálicas
  • Conclusão da obra: 2014

Inaugurado em 2014, o Aeroporto de Natal (RN) adotou o aço nos fechamentos e coberturas, para garantir ao local uma concepção flexível que pudesse ser expandida no futuro. Com desenho diferenciado, a cobertura da área de desembarque chama atenção. Ela é formada por pilares tubulares e vigas soldadas que resultam em um arco com raios que vencem 30 m de vão. Cada segmento do arco é composto por 11 perfis metálicos. "As estruturas em aço foram importantes para reduzir o prazo técnico e agregar estética e leveza ao projeto", explica o engenheiro José Luis Menghini, presidente da Inframerica. Também foram idealizadas em aço a estrutura da cobertura do saguão, pontes fixas, núcleos de embarque e prédios anexos. Ao todo, 1.368 toneladas do material foram usadas.

Arena das Dunas, Natal

  • Projeto arquitetônico: Populous, Grupo Stadia, Coutinho Diegues Cordeiro e Felipe Bezerra Arquitetos
  • Área construída: 78 mil m²
  • Projeto estrutural: Enpro
  • Fornecedor da estrutura de aço: Lanik do Brasil e Bemo
  • Conclusão da obra: 2014

Elemento marcante na cobertura da Arena das Dunas, de Natal (RN), o aço possibilitou leveza ao projeto ao trazer formas ondulantes da paisagem local para a arquitetura do estádio em questão. Nele, os módulos independentes executados em estrutura espacial, no formato de pétalas, foram içados em três partes e estão acoplados à estrutura de concreto que os suporta, conferindo movimento ao projeto feito para a Copa de 2014. Cada um dos módulos tem diferentes dimensões e somam 28 mil m² de estrutura espacial. O sistema baseia-se na construção de malhas espaciais, com nós esféricos e barras tubulares parafusadas, favoráveis à execução de coberturas de grandes vãos.

Arena Castelão (Estádio Governador Plácido Castelo), Fortaleza

  • Projeto arquitetônico: Vigliecca & Associados
  • Área construída: 162.600 m²;
  • área da cobertura, 33 mil m²
  • Projeto estrutural: Pengec Engenharia e Consultoria e Projeto Alpha
  • Fornecedor da estrutura de aço: Martifer
  • Conclusão da obra: 2012

Remodelada para receber os jogos da Copa 2014, a Arena Castelão, em Fortaleza (CE), recebeu 80 toneladas de chapas expandidas de aço inoxidável em sua fachada. A opção pelo inox foi motivada pela durabilidade do material em áreas de atmosfera marinha, que exigem elementos resistentes à corrosão. O aspecto estético também pesou na decisão, pois o material conferiu uma aparência moderna ao estádio. A obra é marcada, ainda, pela esbelta estrutura em aço da cobertura e fachada. Nelas, 60 pórticos treliçados em tubos metálicos, de 50 m de altura e 25 toneladas cada, lembram o mastro de um barco à vela e conferem identidade ao projeto.

Memorial São José do Ribamar, São José do Ribamar

  • Projeto arquitetônico: João Filgueiras Lima (Lelé)
  • Área construída: 900 m²
  • Projeto estrutural: Roberto Vitorino
  • Fornecedor da estrutura de aço: CTRS
  • Conclusão da obra: 1998

Criado pelo arquiteto João Filgueiras Lima, o Lelé, o Memorial São José do Ribamar, no Maranhão foi concluído em 1998 para abrigar fiéis em uma praça entre a foz do Rio Anil e a pequena Igreja de São José. A obra conta com altar, capela de apoio, sacristia e espaço para a pia batismal, mas se destaca, principalmente, por sua cobertura em aço, que faz alusão à Bíblia. A construção formada por dez vigas de alma cheia, em aço patinável de maior resistência à corrosão e em forma de arco, tem balanço de 20 m e está engastada em uma viga transversal metálica, apoiada sobre pilares de concreto. Tanto o fechamento superior como o forro são em chapa de aço corrugada, pré-pintada na cor branca.

Todas as Notícias

Confira também

Não é cadastrado?

Faça agora seu cadastro no site do CBCA e tenha acesso a conteúdos exclusivos e inscrições online. O cadastro no site do CBCA é gratuito, simples e rápido.

QUERO ME CADASTRAR

INDIQUE

Obrigado!
Sua indicação de conteúdo foi enviada com sucesso.