Atenção

Fechar

Expansão Acelerada

23/08/2017 | Notícia | Revista Arquitetura & Aço - Edição 49 – Junho de 2017

Por André Larcher
Fotos de Divulgação

Com 63 m de altura e construído em aço em apenas 12 meses, novo edifício do Shopping Center Boa Vista é um marco contemporâneo em tradicional bairro no Recife.

Estrutura inteiramente em aço favoreceu a criação de grandes vãos e possibilitou reduzir em 40% o tempo de execução da obra

O SHOPPING CENTER BOA VISTA, no Recife (PE), é o claro reflexo do boom econô- mico observado no Nordeste durante a primeira década do século 21. Desde 1998, o centro comercial funciona no bairro Boa Vista, na região central da capital pernambucana. Em 2009, quando a economia nordestina já acumulava crescimento acima da média nacional, iniciou-se o projeto de ampliação do empreendimento. Era uma agenda ambiciosa, pautada em três eixos. Primeiro, ampliar consideravelmente as instalações, aproveitando a localização estratégica do prédio original. Segundo, identificar o empreendimento como um dos principais vetores da modernização e revitalização da região. E, por fim, executar a obra no cronograma mais enxuto possível. No projeto arquitetônico, assinado por Eric Perman, a opção pela estrutura inteiramente em aço surgiu como a solução ideal.

As novas instalações foram construídas em frente ao prédio original. Por se tratar de um bairro com intensa ocupação, a verticalização do shopping foi uma necessidade para viabilizar a expansão. Assim, um gigante de 63 m de altura e 31.500 m2 de área foi erguido em 12 meses, entre 2010 e 2011. A estrutura, totalmente em aço, consumiu 1.765 toneladas do material: pilares e vigas em aço; lajes steel deck e fechamento em light steel frame. “O aço reduziu em até 40% o tempo de execução da obra”, afirma o engenheiro Alexandre Lira, diretor presidente da Vão Livre, corresponsável pelo projeto estrutural da obra e também fornecedora das estruturas metálicas. “Com o aço, foi possível conceber grandes vãos, balanços e outras expressões arquitetônicas marcantes.”

Marcante é um termo apropriado ao Shopping Center Boa Vista, ainda hoje o maior edifício do bairro em que está localizado. Frente ao padrão arquitetônico de seu entorno, o shopping representa, em um só tempo, um marco visual e um centro de gravidade, em torno do qual os elementos à sua volta orbitam. O edifício tem 16 pavimentos, sendo os quatro inferiores com pé-direito duplo, destinados à ampliação da área de lojas. Neles, uma abertura na estrutura metálica, recoberta por vidros, integra os ambientes interno e externo, seguindo a tendência contemporânea de proporcionar iluminação natural e ambientes mais humanizados.

Os 12 pavimentos superiores são destinados ao estacionamento. Também estruturado em aço, o acesso se dá por uma rampa metá- lica circular com pista dupla, em duas lajes paralelas. A rampa transporta os veículos do nível da rua até o primeiro nível de estacionamento – que coincide com o fechamento lateral em vidro da praça de alimentação.

A conexão entre o prédio antigo e o novo é feita por uma passarela metálica de 45 m de extensão, instalada a uma altura de 10 m da avenida que os separa. O conjunto recebe, diariamente, um público de até 65 mil pessoas, de acordo com a administração do shopping.

Diante do reduzido espaço para o canteiro, as peças de aço eram entregues diariamente, seguindo um detalhado planejamento de montagem, na quantidade exata para um dia

Desafios construtivos

Toda intervenção de grande porte em áreas urbanas de fluxo intenso apresenta complexidades construtivas. A ampliação do Shopping Boa Vista não fugiu à regra. O primeiro desafio foi a própria interligação dos edifícios: distantes 45 m entre si, os prédios são separados pela Avenida Conde de Boa Vista, por onde transitam 120 linhas de ônibus e um grande fluxo de veículos e transeuntes. Com tempo de interdição reduzido, a montagem da passarela foi realizada em oito horas, a uma altura de 10 m do solo. “Isso só foi possível porque usamos uma estrutura pré-fabricada em aço”, conta Lira.

Também devido à intensa ocupação da região, o abastecimento do canteiro de obras precisou ser bem planejado em função da falta de espaço. O material era transportado para o local no período da noite e na quantidade exata para um dia de serviço de montagem. Novamente, a peculiaridade do aço atuou como um facilitador nesse processo. “Com a estrutura pré-fabricada, não foi necessário contar com grandes depósitos de areia, brita, cimento, madeiras e ferragens, o que reduziu também o desperdício de materiais”, esclarece o engenheiro. (A.L.)

  • Projeto arquitetônico: Perman Arquitetura & Design
  • Área construída: 31.500 m²
  • Aço empregado: perfis laminados ASTM A36, A570 e A572 GR50; perfis soldados e dobrados ASTM A588 GR50 e tirantes e barras redondas ASTM A36
  • Volume de aço: 1.764 t
  • Projeto estrutural e detalhamento: Washington Luiz dos Santos Pinheiro e Vão Livre Estruturas Metálicas
  • Fornecimento e montagem da estrutura metálica: Vão Livre Estruturas Metálicas
  • Execução da obra: Grupo Celso Muniz
  • Local: Recife, PE > Conclusão da obra: 2011

O uso do aço possibilitou projetar vigas e pilares de menores dimensões, trazendo ganho de área útil e maior liberdade para a modulação dos espaços

Todas as Notícias

Confira também

Não é cadastrado?

Faça agora seu cadastro no site do CBCA e tenha acesso a conteúdos exclusivos e inscrições online. O cadastro no site do CBCA é gratuito, simples e rápido.

QUERO ME CADASTRAR

INDIQUE

Obrigado!
Sua indicação de conteúdo foi enviada com sucesso.